Serviço público ecológico: ajude a nossa leitora Diana Fontoura a iniciar-se nas hortas domésticas

Serviço público ecológico: ajude a nossa leitora Diana Fontoura a iniciar-se nas hortas domésticas

“Olá! Tenho um terraço grande e adorava fazer uma horta doméstica. O que aconselham a quem não percebe nada disto e quer começar?”

A pergunta foi feita no domingo à noite, na página do Green Savers no Facebook, pela nossa leitora Diana Fontoura. A questão é muito pertinente e está cada vez mais na ordem do dia, à medida que os cidadãos se interessam pela horticultura urbana.

Como não recebeu qualquer resposta, reencaminhamos a pergunta de Diana para a plataforma principal do Green Savers. Caro leitor, pode ajudar a Diana a transformar o seu terraço numa horta? Por onde deve ela começar?

Em todo o caso, deixamos também aqui algumas sugestões à nossa leitora. Em primeiro lugar, a fantástica descrição de Pedro Alves, um ilustrador de 36 anos (à data) e que nos explicou o b-a-bá de começar uma horta em casa.

Se preferir, a nossa leitora pode também frequentar um dos cursos regulares da Wakeseed, ou pedir ajuda à Plantit. Aqui e aqui.

Não se esqueça que continuamos à espera das vossas histórias. Seja um Green Saver e partilhe a sua experiência com os nossos leitores.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

3 comments

  1. Olá! Deixo as minhas recomendações com base na experiência de nano-agricultor de varanda (nem sequer é um terraço como o da Diana!)

    First step seria escolher bem o sítio, arejado e com boa exposição solar (meio dia pelo menos). Numa varanda o melhor é usar canteiros grande, ou algo que se pareça. Mas o melhor é ir a um horto e procurar soluções na net. Há muita coisa. Eu comprei umas caixas grandes numa loja tipo AKI, perfurei-as no fundo e enchi-as de terra.
    Fevereiro a Abril é a altura idela para plantar. Mas agora ainda vale a pena.

    Plantas que recomendo:
    – Os tomates sao uma planta gira. Já vou na terceira geração de tomates. Para usar sementes, o segredo é retira-las do fruto/verdura quando estiver bem maduro. Por a secar em papel de guardanapo sem luz (uns dias ou até à próxima época de plantação, e já está. Até já fiz isso com tomates cherry Bio de supermercado. Neste momento as plantas estão enormes e floridos.
    – A rúcula é optima porque fica saborosa facilmente, é muito resistente e quase que se reproduz sozinha se deixares completar o seu ciclo de vida. No final saem umas bolsas dos troncos espigados, como mini feijão verde, deixa-se secar e depois é só abri-las e tirar as sementes.
    – As cebola e alfaces tb são fáceis mas exigem mais espaço. Ainda não apanhei o jeito às alfaces, acabam sempre por espigar…
    – Aromáticas obviamente várias. Menta é super adaptativa.

    Tb é bom rever alguma literatura, é giro dar uma volta por livrarias. Há imensa coisa sobre o assunto, tenho 4 ou 5 livros. Até dá para aproveitar a feira do livro.

    Quanto a equipamento, um regador com muitos furos é muito importante.
    Na impossibilidade de regar o melhor é arranjar uma solução artesanal ou um vizinho/amigo simpatico. Tenho um sistema de rega por osmose que comprei num horto que tb funciona razoavel. As piores pragas acontecem quando as plantas passam por um período de stress, por falta de agua por exemplo…

    Qualquer dúvida é só comentar aqui. Espero que seja útil!

    • Caro Nuno, muito obrigado pelo seu comentário.

      Dentro de uns dias vamos compilar todos os conselhos.

      Obrigado,
      Cumprimentos,

      Green Savers

  2. Pingback: Serviço Público Ecológico: como começar uma horta doméstica? As respostas. | Green Savers

Patrocinadores