Japão prepara construção de linha para novo comboio de levitação magnética

Japão prepara construção de linha para novo comboio de levitação magnética

Tóquio vai receber os jogos olímpicos de 2020. Como todos os países que recebem o evento, o Japão vai apostar na construção e requalificação de infra-estruturas. O projecto mais ambicioso é a construção de uma linha ferroviária de alta velocidade para um comboio de levitação magnética, o maglev, que atinge velocidades superiores a 500 quilómetros por hora, o que torna este comboio o mais rápido do mundo.

A linha deverá ligar Tóquio e Osaka, as duas principais metrópoles nipónicas, e passar ainda por Nagoya, noticia o Financial Times. Se o projecto avançar, as duas principais cidades japonesas, que distam 500 quilómetros, deverão ficar a 67 minutos de distância. Actualmente, o Shinkansen, o comboio de alta velocidade que opera no Japão, demora duas horas e trinta minutos para ligar as duas cidades.

A JR Central, a empresa ferroviária que projectou a implementação do SCMaglev (na foto), anunciou o investimento em Setembro, depois de um protótipo do SCMaglev bater a velocidade recorde de 518 quilómetros por hora, detida por um outro modelo da mesma empresa.

A empresa espera começar a construir os primeiros 350 quilómetros do troço, que vão ligar Tóquio a Nagoya em 40 minutos, em 2014, e estima que este troço esteja operacional em 2027. O percurso total apenas deverá estar pronto em 2045.

O SCMaglev é um comboio de levitação magnética, o que significa que o veículo circula a 10 centímetros do chão, sendo propulsionado através de forças atractivas e repulsivas utilizando supercondutores. Devido à inexistência de contacto entre o veículo e a linha, a única fricção que existe é a resistência ao ar. Inicialmente, antes de levitar, o comboio circula sob rodas de borracha até atingir os 100 quilómetros por hora, velocidade a partir da qual inicia o processo de levitação.

Embora atinja velocidades elevadas, o comboio é seguro, tal como os comboios rápidos japoneses que já existem. O único obstáculo à segurança podem ser os tremores de terra, que são frequentes no Japão. Porém, o SCMaglev, tal como os restantes comboios rápidos, possui um sistema que pára o veículo em caso de terramoto.

Valor do investimento pode der impedimento à construção

Apesar de estar tudo planeado para que a construção avance, o custo do investimento pode ser um travão. O projecto está orçamentado em €65,6 mil milhões, o que levanta dúvidas quanto à sua viabilidade. Os terrenos por onde a linha passará também podem ser um impedimento, já que terão de ser construídos mais de 250 quilómetros em túneis, muitos dos quais atravessarão os alpes nipónicos.

“A rentabilidade não é viável entre Tóquio e Nagoya, não com o montante que estão a investir, embora tenha algum potencial assim que a linha seja estendida até Osaka”, afirma Ryota Himeno, analista de transportes do Barclays, em Tóquio. “Mas ligar os dois maiores centros populacionais, Tóquio e Osaka, com o potencial tanto para lazer ou negócios, pode eventualmente pagar o investimento”, acrescenta.

De acordo com a JR Central, assim que a linha estiver finalizada vai ser criado um centro populacional gigante de cerca de 65 milhões de pessoas. A empresa indica ainda que o desenvolvimento de tecnologia para o SCMaglev irá criar postos de trabalho e impulsionar a indústria da região.

Depois de a linha estar operacional, a intenção da JR Central é manter a linha do Tokaido Shinkansen activa, já que transporta quase 400 mil passageiros por dia, o que a torna a linha de alta velocidade mais movimentada e lucrativa do mundo. Porém, ao manter esta linha funcional, a companhia terá de cativar os passeiros para o SCMaglev, de maneira a tornar o projecto economicamente viável.

O analista do Barclays sublinha os riscos, mas acredita que o montante do investimento “deverá impulsionar o PIB do Japão”.

Actualmente existem vários projectos em cima da mesa para a construção deste tipo de linhas em vários locais, mas o elevado custo de produção tem limitado a sua implementação. Xangai é a única cidade do mundo com uma linha comercial deste tipo, o Transrapid de Xangai. Esta linha liga os subúrbios da cidade ao Aeroporto Internacional de Pundong, cerca de 30 quilómetros, em oito minutos.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores