Preços elevados do ouro estão a impulsionar a desflorestação na América do Sul

Preços elevados do ouro estão a impulsionar a desflorestação na América do Sul

Os preços mais elevados da onça de ouro estão a provocar um aumento da desflorestação na Amazónia e noutras florestas tropicais da América do Sul. A conclusão é de um novo estudo acerca dos impactos da extracção mineira.

Com um preço superior aos riscos de extracção, os garimpeiros sul-americanos aventuram-se em áreas protegidas para extrair o ouro de jazidas de pouca qualidade, indica a investigação publicada na revista científica Environmental Research Letters.

Os investigadores da Universidade de Porto Rico analisaram dados satélite e descobriram que uma área equivalente a 1.680 quilómetros quadrados sofreu desflorestação entre 2001 e 2013, período no qual o preço do ouro aumentou para mais que o quíntuplo. A taxa de desflorestação aumentou para o dobro na segunda metade do período em questão, que corresponde a um pico no preço do ouro devido à crise financeira e à maior procura de jóias por parte das economias emergentes, como a China e a Índia.

Embora a escala da desflorestação provocada pela extracção mineira seja bastante inferior à provocada pela agricultura, pastoreio e extracção ilegal de madeira, os autores do estudo indicam que a exploração de ouro tem efeitos secundários mais nefastos uma vez que os garimpeiros recorrem a cianeto, mercúrio e arsénico, o que contamina os recursos hídricos de uma vasta área e retarda o crescimento da vegetação.

O estudo denota que 90% da desflorestação ocorreu em quatro áreas principais: no sudoeste da Amazónia, no Peru, em Tapajós-Xingú, no Brasil, na região húmida das Guianas e na região do Vale do Rio Madalena, na Colômbia, escreve o Guardian.

Muita da desflorestação ocorreu em áreas protegidas, nomeadamente perto de Itaituba, na bacia de Tapajós, uma das regiões produtoras de ouro mais importantes do Brasil. Estima-se que cerca de 200.000 pessoas são empregadas pelo minério em pequena escala na Amazónia.

A extracção de ouro na América do Sul aumentou muito mais rapidamente que a extracção mundial, que aumentou de 2.445 toneladas, em 2000, para 2.770 toneladas em 2013. O preço da onça de ouro atingiu o seu pico em 2011 e desde então tem vindo a diminuir gradualmente. Ainda assim, o preço é duas vezes superior à média dos últimos 30 anos, o que deverá continuar a impulsionar a exploração de minérios de pouca qualidade e, consequentemente, a desflorestação.

Foto: AndresDElia / Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores